Header Ads

>

Bernardinho visita a seleção brasileira de vôlei sentado




Bernardinho e seleção de vôlei sentado (Foto: Danielle Rocha)
 

O técnico campeão olímpico no Rio-2016, Bernardinho visitou na manhã desta quinta-feira o treino da seleção brasileira masculina de vôlei sentado, que estreia na Paralimpíada na sexta-feira, contra os Estados Unidos, às 10 horas, no Riocentro (pavilhão 6). De bermuda, no melhor clima de férias, ele foi muito aplaudido pelos atletas quando apareceu no ginásio. Bernardinho, que na verdade já voltou ao batente com o clube de vôlei do Rio, foi convidado por Fernando Guimarães, treinador do time paralímpico do Brasil e irmão de Zé Roberto Guimarães, técnico da seleção brasileira feminina de vôlei. A esposa de Bernardinho, a ex-levantadora Fernanda Venturini, foi madrinha de casamento de Fernando.
O treinador de vôlei sentado disse que Bernardinho é um cara que tem perseverança, que "ganhou títulos com o melhor time mas também não tendo o melhor time e mesmo assim não deixou de correr atrás". Por isso, disse ele, o chamou para o treino para falar com seus atletas. Fernando brincou que está mais para Bernardinho, que é nervoso em quadra, do que Zé Roberto, que é mais tranquilo.
Durante o treino, Bernardinho gravou um vídeo. Ele ficou grande parte do tempo com o Amauri Ribeiro, presidente da Confederação Brasileira de Voleibol para Deficientes. Após a atividade, conversou com os atletas e foi bastante assediado. Os jogadores tiraram selfies com ele.

- Vocês sentirão pressão mas o entusiasmo da torcida estará presente como esteve conosco e como provavelmente vocês nunca viram. Façam que ela (a torcida) jogue com vocês - disse Bernardinho, que ficou impressionado com o estilo de jogo da modalidade:
- Não me arrisco nos conselhos porque não tenho conhecimento sufuciente. Fiquei impressionado como se infiltram para um levantamento, como montam o bloqueio duplo... Fiquei pensando o que falaria para vocês aqui, sobre superação? Na minha vida, eu não passei necessidade. Optei por isso, pelo sacrifício, por querer vencer. A vida é uma constante de desafios que nos movem.

O treinador falou ainda de disciplina ("a construção de uma ponte até o seu sonho"), e de realizar pequenas tarefas (como os treinos) para alcançar a maior delas (títulos). Usou como exemplo os ensinamentos de um comandante do Navy Seal, a tropa de combate da marinha americana, que dizia a seus recrutas para nunca tocarem o sino, que era o sinal de que haviam desistido.

- Ele dizia que não se mede a capacidade de um atleta pelo seu tamanho e sim pelo tamanho do seu coração. E que o barco mais veloz do curso que ele dava era composto pelos atletas mais baixos, não os mais fortes e os altos, os que pareciam mais capazes.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.