Header Ads

>

Zé Roberto minimiza erros da arbitragem e elogia Estados Unidos




Zé Roberto reconheceu que sua equipe não conseguiu impor o ritmo de jogo apresentado ao longo do torneio (Divulgação / CBV)

A Seleção Brasileira esteve longe de repetir o que foi feito ao longo de toda a competição e perdeu para os Estados Unidos na semifinal do Campeonato Mundial Feminino de Vôlei, neste sábado. O duelo contou com alguns erros de arbitragem, principalmente no segundo set, mas o técnico José Roberto Guimarães não comentou tanto sobre as decisões controversas e preferiu elogiar as norte-americanas.

"Eu senti a juíza muito nervosa e deu pra perceber nas ações e nas incertezas do que ela estava marcando. Na verdade, eles não estão acostumados a apitar jogos desse nível. Tem gente boa com experiência para apitar. Mas não adianta ficar reclamando de erros. Isso faz parte no voleibol e não adianta chorar o leite derramado. Os Estados Unidos foram melhores e a gente não jogou tão bem", afirmou Zé Roberto.

O Brasil perdeu por 3 sets a 0, com parciais de 25/18, 29/27 e 25/20. Depois de ser facilmente superada na primeira parcial, a equipe melhorou no segundo set e liderou durante grande parte do tempo, mas acabou cometendo erros que comprometeram o resultado final. Sem conseguir empatar, a equipe ficou abalada e teve poucas chances de ameaçar as adversárias no terceiro set.

Após o duelo, Zé Roberto fez uma breve análise sobre a partida e lamentou uma derrota como essa, principalmente por não ser parecida com o que o Brasil fez ao longo de todo o torneio.

"O que é complicado é que essa partida não traduz tudo o que fizemos durante o campeonato e fica essa situação ruim para explicar. Cometemos alguns erros no começo do primeiro set, equilibramos no segundo, mas para fechar elas foram mais felizes. Já no terceiro, elas abriram e nós ficamos correndo atrás o tempo inteiro", disse o treinador.

Fora da final, o Brasil brigará pela medalha de bronze, neste domingo, às 12h30 (de Brasília). O adversário sairá do confronto entre China e Itália.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.