Publicidade

Header Ads

História da Seleção Feminina de Voleibol

A Seleção Brasileira de Voleibol Feminino foi formada em 1951, onde estreou jogando o Campeonato Sul-Americano daquele ano ficando com a medalha de ouro. Mesmo com pouca tradição no voleibol feminino na decáda de 50 o Brasil conseguiu se manter entre os melhores times das Américas, conquistando inúmeros títulos sul-americanos e até dois títulos Pan-Americanos, conquistados em 1959 em Chicago e outro mais tarde em 1963 em São Paulo. Nessa época o principal adversário da seleção brasileira era a seleção peruana.

O time brasileiro só se destacava mesmo nas competições continentais, já nas comepetições intercontinentais não obtinha o mesmo êxito. Sempre se revezava entre o 6° e 8° lugar em campeonatos mundiais e Jogos Olímpicos. Os melhores resultados em competições intercontinentais aconteceram no campeonato mundial de vôlei em 1986 onde o Brasil ficou em 5° lugar e nos Jogos Olímpicos de Seul e Barcelona ficando em 6° e 4° lugar respectivamente.

O Voleibol feminino do Brasil só começou a despontar mesmo no cenário internacional nos anos 90 especificamente em 1994 quando Bernardinho assumiu o comando da seleção. No mesmo ano conquistou o vice-campeonato no Mundial realizado no Brasil, a medalha de ouro no Grand Prix e em 1995 a medalha de prata na Copa do Mundo de Vôlei. Contando com novos talentos no voleibol nacional como Ana Beatriz Moser, Fernanda Venturini, Ana Paula Connelly, Márcia Fú, Hélia Rogério de Souza, Virna Dias, Hilma Caldeira e Leila Barros,o voleibol brasileiro cresceu de tal forma que começou a incomodar a Seleção de Cuba que foi considerada a melhor equipe do mundo dos anos 90. Frequentemente as semi finais e finais das principais competições internacionais dos anos 90 eram disputadas entre Brasil e Cuba. Eram grandes jogos com bastante volume de jogo em ambos os lados e sempre regados com bastante provocação por ambos os lados. Sob o comando de Bernardinho, Brasil e Cuba se enfrentaram 27 vezes com 14 vitórias para Cuba e 13 para o Brasil.

A própria semi final dos Jogos Olímpicos de Atlanta foi marcada pela rivalidade entre Brasil e Cuba na qual as cubanas levaram a melhor e venceram o Brasil apenas no tie-break. Depois do fim do jogo ocorreu desentendimento entre ambas seleções protagonizado por Regla Torres, Mireya Luis, Márcia Fú e Ana Moser. Tudo foi resolvido mais tarde pela polícia americana. Na ocasião a Seleção Brasileira disputou a medalha de bronze contra a Rússia, vencendo o jogo apenas no tie-break e conquistanto sua primeira medalha olímpica. A vingança contra Cuba veio depois dos Jogos com o Brasil quando as brasileiras ganharam o Grand Prix de 1996, ocorrendo novamente no final do jogo uma nova briga.

Até o final dos anos 90 a Seleção Brasileira conquistou vários titulos Sul-americanos, Grand Prix, sob o comando de Bernardinho. Os últimos titulos foram o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Winnepeg em 1999 na qual o Brasil com um elenco jovem e renovado com Érika Coimbra, Elisângela Oliveira, Walewska Oliveira, Carolina Albuquerque, Janina Déia Chagas da Conceição, Ricarda Raquel Lima Negrão, Leila e Virna enfrentou novamente a equipe de Cuba e levando a melhor ganhando a medalha de ouro. A mesma base foi mantida para os Jogos de Sydney na qual o Brasil conquistou a segunda medalha de bronze derrotando a Seleção Norte Americana.

Com a saída de Bernardinho da equipe feminina para a masculina a Seleção foi comandada temporariamente por Marco Aurélio Motta. Muitas jogadoras não concordavam com a metodologia de Motta e resolveram deixar a Seleção. Nesse período o Brasil não conquistou nenhum título importante.

A Seleção só voltou a brilhar em 2003 com entrada de José Roberto Guimarães que promoveu uma renovação na Seleção com novos talentos como Mari, Sheilla, Paula Pequeno, Sássa, Carol Gattaz, Fabiana Alvim, Fabiana Claudino, Arlene Xavier, Valeskinha, Jaqueline e mantendo algumas jogadoras veteranas como Fernanda Venturini, Virna e Elisângela. Foram conquistados vários títulos, mas támbem alguns fracassos como a semi final de Athenas em que o Brasil foi surpreendido pela Rússia. Depois dos Jogos de Atenas foi promovida mais uma renovação na Seleção com a volta de Fofão, Walewska e a entrada de Thaisa.

Em 2005, a seleção conquistou a Copa dos Campeões. O Brasil foi campeão de forma invicta, acumulando cinco vitórias em cinco jogos. Durante todo o torneio, a seleção brasileira perdeu apenas dois sets - no jogo de estréia, contra a China, quando venceu por 3 a 2. Com este título, até então inédito, a seleção brasileira fechou um ano quase perfeito, em que conquistou todos os torneios que disputou. Além da Copa dos Campeões, a seleção brasileira venceu os seguintes campeonatos: Torneio de Courmayeur (Itália), Montreux Volley Masters (Suíça), Grand Prix. Torneio Classificatório para o Mundial 2006 e o Sul-Americano.

A seleção seguiu conquistando mais títulos e acumulando outros fracassos como a derrota do Mundial de 2006 para a Rússia e os Jogos Pan-Americanos para Cuba em 2007. Em 2008 a Seleção superou os traumas do passado e conquistou o heptacampeonato do Grand Prix7 e sua primeira medalha de ouro olímpica em Pequim consagrando o voleibol feminino brasileiro

A data de 23 de agosto já era especial para a seleção brasileira feminina de vôlei. Neste domingo, no entanto, se tornou inesquecível. No dia em que completou um ano da inédita conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Pequim, o Brasil tornou-se octacampeão invicto do Grand Prix e, assim, reafirmou seu status de maior vencedor do torneio: 94/96/98/04/05/06/08/09. O Brasil fez uma campanha impecável na competição. Foram 14 jogos e 14 vitórias, contra Estados Unidos, Alemanha, Porto Rico, China, Polônia, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Rússia e Holanda. José Roberto Guimarães levou a seleção brasileira feminina de vôlei ao título do Grand Prix pela quinta vez, o oitavo na história do país.. Assim como em 2006, Sheilla foi eleita a melhor jogadora do Grand Prix. Ela também foi a terceira maior pontuadora com 92 pontos, a quarta melhor atacante com 44,17% de eficiência e ainda a segunda melhor no saque. Além dela, o outro prêmio que terminou nas mãos das brasileiras foi o de melhor bloqueadora para a meio-de-rede Fabiana.

Ainda em 2009, o Brasil conquistou a medalha de prata na Copa dos Campeões – o único vice após seis títulos consecutivos em 2009. Com isso, a seleção brasileira encerrou um ano quase perfeito, com apenas duas derrotas: uma na Copa Pan-Americana para a República Dominicana e outra para a Itália na Copa dos Campeões.

Nas Olimpíadas de Londres, em 11 de agosto de 2012, a seleção brasileira consagrou-se como a terceira na história a conquistar a medalha de ouro no torneio olímpico consecutivamente


Postar um comentário

0 Comentários