Header Ads

>

Brasil vence Holanda de virada e fica próximo da 3ª fase do Mundial





Bloqueio foi uma importante arma no duelo com as holandesas: 14 a 5 para no fundamento
Bloqueio foi uma importante arma no duelo com as holandesas: 14 a 5 para no fundamento
Os erros de recepção diante do forçado saque das rivais custaram o primeiro set ao Brasil, na partida desta quinta-feira, contra a Holanda, pelo Mundial feminino de vôlei. No momento de dificuldade, porém, a experiência e paciência da seleção bicampeã olímpica fizeram a diferença. Mais uma vez de virada, o time de José Roberto Guimarães se reencontrou em quadra e arrancou a vitória por 3 sets a 1, com parciais de 23/25, 25/20, 25/16, 25/16, no ginásio Palaolimpia, em Verona, na Itália (veja os melhores momentos no vídeo acima). Com o triunfo sobre as holandesas, as brasileiras somaram mais três pontos e se aproximaram da classificação para a terceira fase da disputa.
A ponteira Fernanda Garay foi o principal destaque da seleção brasileira e da partida, com 20 pontos marcados. A central Thaísa também fez mais um ótimo jogo, com 19 pontos, sendo oito de bloqueio. Pelo lado holandês, Lonneke Slöetjes anotou 13 pontos.
- A gente sentiu já no aquecimento que elas vieram acreditando que poderiam ganhar da gente. Tirando essa responsabilidade, elas têm um pouco de facilidade. Chegam no saque e colocam tudo. É claro que nós estamos preparadas para as dificuldades, mas a verdade é que, no primeiro set, a gente ainda estava vendo o que elas estavam fazendo. Isso não pode acontecer. Mas a gente tem tentado melhorar. Isso vai melhorando a cada partida.- afirmou Fê Garay na saída de quadra.
Com a vitória, o Brasil segue na segunda colocação do Grupo F, com 14 pontos. Os Estados Unidos lideram a chave, com 15. Com 11 pontos somados, a Sérvia completa o grupo dos três times que avançam para a terceira fase até agora. A Rússia, que tem 10, segue na briga.
- Nós perdemos um contra-ataque importante e, depois, pegamos uma boa sacadora e não conseguimos mais colocar o passe na mão. Naquela posição, tomamos quatro pontos seguidos. Elas começaram a acreditar no jogo de novo. A gente que colocou a Holanda no jogo. Essa foi a dificuldade que encontramos. Mas, depois, a gente restabeleceu o controle - explicou o treinador José Roberto Guimarães.
A sexta-feira será de folga para todas as equipes. As partidas do Mundial da Itália retornam no sábado, quando o Brasil enfrenta a Rússia, às 15h (de Brasília). O SporTV transmite ao vivo, e o GloboEsporte.com acompanha em Tempo Real com vídeos. O assinante do Canal Campeão também pode assistir no SporTV Play.
O jogo

Depois de começar os dois últimos confrontos desatento, o Brasil, desta vez, entrou melhor em quadra, abrindo logo 3/0. A levantadora Dani Lins acionou bem as centrais, com um ponto de Thaísa e dois de Fabiana no início da partida: 6/2. Fernanda Garay aumentou a vantagem com um ace (8/2). Do outro lado quadra, a capitã Robin de Kruijf apareceu bem no bloqueio, tentando deixar sua equipe viva no set. Após um bloqueio de Fabiana e mais um ace de Fê Garay, a seleção voltou a garantir boa diferença: 17/12. Mas, forçando no saque, as holandesas reagiram e somaram quatro pontos seguidos, encostando no placar: 17/16. Em seguida, depois de um ataque de Jaqueline para fora, veio a virada: 20/19. Foi também depois de um erro da oposto Flier, da Holanda, que o time verde e amarelo voltou a assumir a liderança: 22/21. A parcial foi disputada até o final. Após um ponto de bloqueio da oposta Plak e um contra-ataque para fora de Fê Garay, as holandesas fecharam em 25/23.
O segundo set começou como o primeiro: Brasil na frente. Com dois pontos seguidos de Thaísa, de bloqueio e de ataque, a seleção brasileira abriu 4 a 1. Em seguida, Fabiana também pontuou no bloqueio, e Sheilla ampliou a vantagem depois de uma pancada: 8/2. A Holanda, porém, voltou a forçar o saque, com a oposto Flier, complicando a recepção brasileira e, consequentemente, a armação dos contra-ataques. Depois de um ataque para fora de Jaqueline, as holandesas, com destaque para a oposto Sloetjes, chegaram ao empate: 10/10. O técnico Zé Roberto pediu tempo, e a seleção voltou para quadra melhor. Fez três pontos seguidos e respirou. Depois de um rali cheio de boas defesas, Plak explorou o bloqueio e diminuiu a vantagem: 15/13. Tandara e Fabíola entraram em quadra no lugar de Sheilla e Dani Lins. Mesmo ainda cometendo falhas na recepção, as brasileiras conseguiram se manter na frente. Jaqueline pontuou no bloqueio, marcando 20/16. Tandara cresceu na partida e, depois de soltar o braço no ataque e marcar um ace, fez 23/18. A vitória da parcial saiu depois de uma pancada de Fê Garay: 25/20.


Mais uma vez Thaísa comandou o time brasileiro no início do terceiro set. Com dois pontos de bloqueio da central, o Brasil fez 4/1. Bem na defesa, no ataque e no saque, Fê Garay continuou se destacando. Depois de um ace da ponteira, a seleção abriu em 11/4. Melhor na recepção, o país conseguiu variar mais nas jogadas. Jaqueline acertou uma bela paralela. Em seguida, Thaísa fechou o paredão e fez dois pontos de bloqueio: 17/8. No mesmo fundamento, Fê Garay e Tandara também marcaram os seus: 21/12. Destaque do time holandês no segundo set, Sloetjes ainda tentava manter sua equipe viva, mas a vantagem brasileira já era muito grande. Com um ataque de Tandara, a seleção fechou em 25/16.
As holandesas sentiram as derrotas nos dois sets anteriores e não ofereceram mais tanto perigo às brasileiras. Encaixando melhor as jogadas, o Brasil logo abriu larga vantagem no placar: 8/2. Além de Thaísa, as ponteiras também pontuaram bem. Jaque apareceu mais nos ataques e, depois de uma bela pancada de Fê Garay, o Brasil fez 17/6. Em mais um dia inspirada, Thaísa fez seu sétimo ponto de bloqueio: 18/10. Após um longo rali, de De Kruijf decidiu o ponto para a Holanda, diminuindo a diferença: 20/14. O time de Zé Roberto, no entanto, manteve o bom ritmo até o final. Depois de dois pontos seguidos da central reserva Adenízia, o time de Zé Roberto fez 25/16 e venceu mais uma partida de virada.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.