Header Ads

>

CBV e Banco do Brasil retomam parceria: "vitória de todos"




http://p2.trrsf.com/image/fget/cf/1280/500/images.terra.com/2015/01/19/bernardinhovoleibrasilfazposegetty.jpg
Depois de muita polêmica e de um afastamento que durou algumas semanas, o Banco do Brasil voltou a patrocinar a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Nesta segunda-feira, a entidade que comanda o voleibol brasileiro assinou o aditivo redigido pelo banco no contrato de patrocínio já existente e comemorou a retomada da parceria. Ela havia sido suspensa por causa do escândalo de corrupção que atingiu a CBV no fim do ano passado.
"A CBV nunca pensou em encerrar o patrocínio, mas tinha ciência de que precisava racionalizar gastos, melhorar o controle e desenvolver uma gestão que pudesse gerar ainda mais conquistas e ainda mais orgulho aos brasileiros. Nós temos esse compromisso não só com o Banco do Brasil, mas com nossos outros parceiros, nossos atletas, e o mais importante, o compromisso com o amante do voleibol brasileiro", afirmou Walter Pitombo Larangeiras, presidente da CBV, em nota que ainda diz que, com a volta da parceria, "a vitória foi de todos".
Tudo começou quando a Controladoria Geral da União (CGU) divulgou relatório que apontava irregularidades em 13 contratos da Confederação Brasileira de Vôlei - juntos, eles somavam R$ 30 milhões. As investigações revelaram que empresas contratadas pela CBV pertenciam a dirigentes e ex-dirigentes da confederação ou a pessoas ligadas a eles.
Assim, com o estouro do escândalo, o Banco do Brasil resolveu suspender o contrato de patrocínio à CBV. Além disto, condicionou a volta do fluxo de pagamento ao cumprimento das recomendações feitas pela CGU - ou seja, informou que só retornaria a patrocinar a entidade se ela se ajustasse às regras da controladoria.
E isto, de acordo com a CBV, passou a ser feito desde o fim do ano passado. Em dezembro, a entidade que comanda o vôlei brasileiro informou que faria uma auditoria externa, regulamentaria contratações, vetaria empresas suspeitas, criaria um comitê de apoio e reaveria judicialmente os valores de contratos considerados irregulares pela CGU. Ou seja, atenderia às recomendações feitas pela controladoria.
A partir daí, com a confirmação de que estava se mexendo para se regularizar, a CBV se aproximou de retomar a parceria com o Banco do Brasil. A entidade bancária, contudo, dizia que só voltaria a patrocinar a confederação assim que houvesse a formalização e assinatura de um aditivo ao contrato de patrocínio já existente. Nele, constaria as ações acordadas entre CBV e CGU e os seus prazos de implantação.
Este aditivo foi elaborado pelos serviços jurídicos do Banco do Brasil e da CBV e acabou assinado nesta segunda-feira - sacramentando a volta da parceria, que está condicionada pelo banco à implementação, no prazo de 90 dias, das ações formalizadas no aditivo. "Uma negociação é produtiva quando os dois lados ganham. Com a continuidade, ganha o Banco do Brasil, ganha a CBV, ganha o voleibol brasileiro. Esse crédito que o atual presidente recebeu é uma prova da confiança que ele possui dentro da CBV com seus filiados, também externamente com nossos parceiros", decretou Neuri Barbieri, superintendente geral da CBV.
Terra

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.