Header Ads

>

Ricardinho e Maringá Vôlei têm contas bloqueadas por suspeita de desvio de recursos públicos





Ricardinho e Maringá Vôlei têm contas bloqueadas por suspeita de desvio de recursos públicos  — Foto: Walter Fernandes
O ex-jogador de vôlei Ricardinho teve contas bancárias e automóveis bloqueados em um processo por suspeita de desvio de recursos da Prefeitura de Maringá, no norte do estado.
O bloqueio, que atinge as contas de Ricardinho, da sogra dele, Maria do Carmo Panza, do advogado Rogério Rodrigues e do Maringá Vôlei, foi determinado pela 2ª Vara da Fazenda Pública de Maringá.
Além dos quatro automóveis, Ricardinho teve R$ 27,57 retidos em suas contas bancárias.
Nas contas do Maringá Vôlei, foram encontrados R$ 256,90. Não foram encontrados bens e depósitos em nome dos outros dois réus.
O pedido de bloqueio foi feito na semana passada e expedido, na segunda-feira (17), pela Justiça ao Banco Central.
A ação foi proposta pelo Ministério Público (MP) em razão de dois eventos de vôlei financiados pela prefeitura de Maringá em 2014: a Liga Mundial de Vôlei (foram dois jogos da Seleção Brasileira contra a Polônia) e da Copa do Brasil de Vôlei.
Os eventos custaram R$ 880 mil ao município.
A Confederação Brasileira de Vôlei deixou toda a organização com a Vôlei Brasil Centro de Excelência, mais conhecida pelo nome fantasia, Maringá Vôlei - presidida por Ricardinho.
Segundo o MP, a organização só conseguiu comprovar que dos R$ 880 mil doados pela prefeitura R$ 204 mil foram gastos com os dois eventos.
Ainda de acordo com a acusação, há provas que R$ 255 mil foram parar nas contas bancárias privadas de Ricardinho e da sogra dele. O advogado e então contador da Vôlei Brasil, ainda de acordo com o MP, teria envolvimento por ter sacado R$ 550 mil repassados pela prefeitura em espécie.
Em nota, a assessoria de imprensda do Maringá Volêi e de Ricardinho informou que não houve irregularidades no contrato e que tudo será esclarecido. Veja logo abaixo íntegra da nota.
O G1 tenta contato com Maria do Carmo Panza, sogra de Ricardinho.
A Assessoria de Imprensa do Maringá Vôlei e do Ricardinho informou, por meio de nota, que o questionamento do Ministério Público não se trata de atividades cotidianas desenvolvidas pela associação e pelo Ricardinho, mas sim de dois eventos isolados realizados em 2014 – Copa Brasil e Liga Mundial.
Esclarece ainda que o Maringá Vôlei não fez qualquer contratação com a Prefeitura de Maringá e sim com a CBV - Confederação Brasileira de Voleibol, única detentora dos direitos de promover jogos da Copa Brasil e Seleção Brasileira.
É importante ressaltar que todos os serviços contratados foram realizados e que as devidas prestações de contas foram feitas para a CBV. Inclusive esses eventos muito contribuíram com a economia, incentivando o esporte e o turismo.
Os amistosos foram feitos exatamente nos mesmos moldes que são feitos todos os anos nos diversos municípios do Brasil.
Esclarece também que em nenhum momento o Maringá Vôlei, Ricardo Bermudez Garcia e Maria do Carmo Panza receberam notificação judicial para prestar contas dos eventos.
No entanto, eles declaram, nesta oportunidade, que estão à disposição da Justiça para que os fatos sejam esclarecidos. Por fim, Ricardinho ressalta que tudo foi feito na mais absoluta lisura, como será apurado.
Tenha as melhores ofertas do Magazine Luiza: clique aqui!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.